Quem somos

dscn6610

A história do que ia ser num futuro a Asociacion Cultural Remadoira escomenzou na praia de São Gregorio em Coia (Vigo). Nesta praia, a uns três metros de fundo e soterrada na lama, encontrava-se uma dorna de tope de 7,50 metros de eslora e 2,30 metros de manga. Esta era um tipo de dorna do que a primeiros do século XX se fizeram umas sete unidades, sendo orixinarias de Cambados, na Rri-a de Arousa (Pontevedra).

Foi a derradeira melhora na construccion da dorna e a primeira em desaparecer, por causa de que nesse tempo já se escomenzaban a motorizar os barcos, e este tipo de embarcação não permitiam a sua motorización de um modo singelo.

Alguen nos dixo de por qúe non tentabamos recuperala xa que era unha mágoa de que se perderan este tipo de embarcacións. Así, dandolle voltas e voltas a esta suxerencia escomenzou un proxecto longo e laborioso. Non foi nada doado, xa que a dorna estaba en moi mal estado pero ainda mantía a fasquía orixinaria do barco e despois de dous anos de duro e esgotador traballo, e non menos campañeirismo conseguiuse ramatala dorna.

Foi este o princípio de um novo projecto de construcción, de um grupiño de amigos que levarianos a dar conta que estávamos preparados para o que seria o nosso seguinte objectivo. A finais do ano 2003 escomenza um caminho, que dará como resultado a criação de uma associação para recuperar o património marítimo e cultural galego, com uns fins muito claros e ganhas de trabalhar. Nos albor do ano 2004 produz-se o nascimento como tal de REMADOIRA, desde então, e aguardamos que durante muitos anos, os sócios desta pequena associação estão a trabalhar incansavelmente pelo crescimento da família marinheira nestas terras.

Coma obxetivos a nossa associação marcasse os seguintes fins:

a) A promoção e difusão do património historico-cultural marítimo da Galiza, no âmbito expressado em qualquer das suas vertentes, fazendo fincapé na vela tradicional.

b) A recuperação, reabilitação e salvagarda das embarcações tradicionais proprias de cada área do ambito galego em geral.

c) A colaboração com outras associações que tenham obxetivos e filosofias semelhantes, sem perxuicio de colaborações concretas e específicas com entidades pertencentes o sector marítimo-pesqueiro.

img_0901

Hoje a nossa associação conta com uma frota de 17 barcos. São embarcações tradicionais ou clássicas que usabanse em faenas de pesca, lazer ou regata. Todas são de madeira e propulsadas a vela, ainda que algumas contam com um motor foraborda que usa-se coma um motor auxiliar.